carteira digital

A nova carteira digital

21-08-2017 Posted by Tecnologia, Todas as categorias 0 thoughts on “A nova carteira digital”

Hoje em dia, a praticidade define parte da vida que vivemos e buscamos. Especialmente no momento em que vamos às compras. Os cartões facilitaram muito a vida. Ficou fácil e rápido. Em alguns países da Europa, como a Inglaterra, o celular já é a nova carteira digital, ou mobile wallet, como preferem dizer alguns, pois reúne os cartões de débito, crédito e o bilhete de transporte público. E isso vai virar uma realidade global.

Um relatório do banco XP Investimentos aponta que o dinheiro em papel provavelmente sairá de circulação em breve. “E o primeiro país a tomar essa atitude possivelmente será a Dinamarca, já que anunciou um processo de transição, a partir deste ano, por meio do qual lojas de roupas, alimentos e postos de gasolina não são mais obrigados a aceitarem dinheiro vivo.  Apesar de parecer uma medida radical, o papel-moeda já tem caído em desuso nos países nórdicos. Estima-se que cerca de 33% da população utiliza um app chamado MobilePay, que conecta o celular ao de outra pessoa e permite pagamentos com apenas um toque”, afirma o relatório.

Sim, o celular vai virar um meio para realizar o pagamento de contas. Esqueça as máquinas de cartão ou aqueles outros aparatos todos que dependem, em alguns casos, de linhas telefônicas. Há muito tempo que as transações financeiras que realizamos no dia a dia não estão mais no mundo real. Pergunte-se: onde está o meu dinheiro? A primeira resposta seria: no banco. Mas, fisicamente, ele já não está ali faz anos.

Uma das empresas pioneiras no sistema de pagamento eletrônico é a Starbucks, que lançou seu programa em 2015. A empresa inovou recentemente ao fazer o sistema de pedido e pagamento pelo celular, eliminando as filas. Nos Estados Unidos, no último trimestre, 9% dos pedidos foram feitos desta maneira. E mais: cerca de uma em cada 3 vendas foi paga pelo aplicativo da marca.

carteira digital

A evolução do pagamento com cartões foi gigantesca. O ecossistema mudou e cresceu tanto que fica difícil acompanhar o nascimento de tantas fintechs (veja imagem abaixo). Em pouco tempo, não precisaremos mais deles, nem andar com dinheiro na carteira. Basta aproximar o celular e voilà, a operação foi realizada com sucesso. Em qualquer lugar, a qualquer hora do dia ou da noite.

Algumas empresas, como a brasileira BPP, tem até uma solução que não exige conectividade para pagar uma conta. Você gera um QR code que é escaneado e, quando aparece a conexão, o valor é debitado da sua conta ou cartão pré-pago.

Vamos além. Imagine realizar transações financeiras em via de mão dupla. Receber aquele dinheiro que emprestou para o amigo também pelo smartphone. Hoje, muita gente recebe dinheiro pelo Paypal.

Obviamente, um dos maiores exemplos é a China. O país já apresenta um mercado maduro de serviços e modelos de pagamento móveis, conforme indica o relatório de tendências da Kleiner Perkins Caufield Byers (KPCB).

carteira digital

Um fato relevante é que os pagamentos móveis, ainda de acordo com o relatório da KPCB, devem se tornar a porta de entrada para que as principais empresas de internet da China se transformem em plataformas de serviços financeiros. E esse modelo deve começar a crescer também nos Estados Unidos.

carteira digital

Só a consolidação deste tipo de solução, em mercados como a China e os Estados Unidos, mostra o potencial de evolução de plataformas de serviços de pagamento móvel. E as transformações no sistema financeiro serão extraordinárias.

De forma geral, a expectativa é grande por parte de consumidores e também da própria indústria, como aponta estudo realizado pela Accenture. Os consumidores expressaram otimismo sobre a adoção de carteira móvel no futuro, com um aumento de quase 60% no uso de carteiras móveis em detrimento das redes de cartões (de 14%, em 2016, a 22%, em 2020). No caso das gigantes de tecnologia, a expectativa é que as carteiras digitais subam de 13%, em 2016, para 21%, em 2020.

carteira digital

Fonte: Accenture

Os bancos tradicionais tendem a perder participação de mercado. O espaço passa a ser parcialmente ocupado pelas operadoras de telefonia. As plataformas de pagamento também, em boa parte dos casos, não exigem a existência de uma conta bancária – as transações são realizadas sem passar necessariamente pelos bancos.

Bancarização alternativa

Essa evolução descolada do mercado financeiro tradicional tem um lado bom também. Em muitos lugares do mundo – especialmente em países classificados como “em desenvolvimento” –, a bancarização, de maneira geral, ainda é bastante precária. Essa alternativa ao sistema financeiro tradicional pode ser uma boa saída.

Podemos usar como referência o Pegasus. Trata-se de uma plataforma de pagamento móvel totalmente realizada por celular na África oriental. Os cidadãos podem fazer compras, transferir valores para familiares e pagar contas de serviços básicos, como luz e água.

carteira digital

No Quênia e em Uganda, fazer ou receber pagamentos pelo dispositivo móvel vem se tornando algo muito comum, conforme apontam os dados da Pew Internet Research.

carteira digital

Fonte: Pew Research Center

O sucesso e a adesão fizeram também proliferar diversas outras companhias de pagamentos por dispositivos móveis por lá, como a Yo Uganda, Beyonic, Jpesa, entre outras.

Na América Latina, a situação não é muito diferente. Para termos uma ideia, quase 60% dos consumidores na região ainda não são bancarizados. Entretanto, já existe uma proporção considerável de pessoas fazendo uso de pagamentos por dispositivos móveis, segundo relatório da Mastercard.

carteira digital

O Brasil também está nessa

A StartSe estima em mais de 200 fintechs no Brasil. As empresas brasileiras Nubank, VivaReal e Guia Bolso estão entre as fintechs mais inovadoras do mundo segundo o relatório Fintech 100, feito pela KPMG e pela H2 Ventures. Podemos elencar diversas opções disponíveis tecnológicas hoje em dia. Até já usamos algumas e sequer nos damos conta disso. Entre algumas delas estão:

  • Carteira digital: entram nessa categoria plataformas como o PayPal, PagSeguro, entre outros. A dinâmica é semelhante a do internet banking, mas não há toda a exigência feita pelos bancos. A maior vantagem é que você não precisa fornecer teus dados pessoais ou apresentar cartão para a loja da qual está comprando. A transação é totalmente eletrônica.
  • Internet banking: sim, a aplicação instalada no dispositivo móvel é considerada e permite realizar transações, pagar contas, entre outros recursos. Talvez seja o modo mais difundido no país até o momento.
  • Leitor móvel de cartão: esta modalidade possibilita que aplicativos em dispositivos móveis (celulares, tablets etc.) com acesso à internet substituam as máquinas tradicionais de cartão.
  • NFC (near field communication): tecnologia que permite o pagamento por meio de aproximação do teu dispositivo a outro equipamento, para que a transação seja realizada automaticamente. Já pode ser feito via Android Pay, Samsung Pay e Apple Pay.
  • SMS (short message service) ou USSD (unstructured supplementary data): estão diretamente ligados às operadoras de telefonia celular. Cada uma delas tem seu próprio sistema. O SMS consome créditos do telefone no processo de transação financeira. Já no caso do USSD, o pagamento pode ser feito por meio de créditos do celular ou débito na conta telefônica. Via de regra, porém, as transações são para valores baixos.
  • QR Code (quick response code): permite que um pagamento seja feito a partir da leitura de um código de barras por meio da câmera fotográfica do dispositivo móvel. É preciso, porém, ter um aplicativo instalado que permita realizar essa leitura do código.

Boa parte dos consumidores brasileiros, entretanto, ainda não tem conhecimento dos modelos ou ainda apresenta algum tipo de receio em relação à segurança ou até mesmo aos benefícios proporcionados por essa modalidade de pagamento. Será preciso um longo trabalho para fazer a audiência conhecer e ver sentido.

Há também barreiras ou limitações que precisam ser observadas. A multiplicidade de sistemas operacionais e dispositivos restringe soluções de maior alcance, bem como o alto custo de smartphones que trazem, por exemplo, a tecnologia NFC embarcada.

Na outra ponta, a dos comerciantes, as vantagens são enormes. Segundo levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), aproximadamente 80% dos terminais (maquininhas) instalados em lojas no país já contam com o recurso de pagamento por aproximação.

Por mais que ainda exista a necessidade de “evangelização” do consumidor brasileiro, os números são animadores, como aponta o estudo “Cenário do M-commerce – State of Mobile Commerce 2016”, feito pela Criteo. O Brasil figura com o maior aumento da participação do celular nas transações no varejo, seguido de Austrália e França.

carteira digital

O que ainda está por vir

A evolução e a consolidação dessa modalidade de transação financeira são certas. O caminho parece sem volta. Mas isso é só o começo, pois ainda há muitas possibilidades que precisam e devem ser exploradas ao longo dos próximos anos.

Comando de voz, pulso e selfies

Esqueça a digitação de senhas e a utilização de dados pessoais. Veremos a mudança desse tipo de autenticação e permissão para a realização de transações passarem para comandos de voz, reconhecimento facial por selfies e, até mesmo, pulsação. São grandes os avanços do ponto de vista de segurança e praticidade. O Samsung Pay funciona também no Gear S3. Dá para pagar no caixa sem abrir a carteira de deixar o caixa com cara de “ué”.

Biometria e íris

Já temos diversos modelos recentes de dispositivos móveis que só permitem a realização de operações a partir do reconhecimento da digital do dono. O reconhecimento da íris também vem apresentando mais relevância para garantir segurança às transações financeiras. Certamente, essas tecnologias serão incorporadas aos modelos de pagamentos móveis e carteiras digitais. O Samsung Pay já tem pagamento por reconhecimento de íris no S8.

Wearables

As transações financeiras devem passar do celular para outros diversos acessórios que fazem parte do nosso dia a dia. Vão chegar aos relógios, óculos inteligentes, canetas e, até mesmo, roupas.

Compra assistida

Assistentes virtuais, isto é, robôs dotados de inteligência artificial vão auxiliar e conduzir os usuários no momento de compras e transações financeiras realizadas por meios digitais.

Pode perguntar sobre bitcoins e blockchain, mas isso vai merecer um texto exclusivo. Aguarde.

Você já está preparado para oferecer tudo isso aos teus consumidores em um futuro nem tão distante assim?

LEIA TAMBÉMDigital payments have become the preferred payment method, da Business Insider

 



Aline Sordili

Aline Sordili, é jornalista com especializações no mercado digital pela New York University e pela Hyper Island. Atualmente, é diretora de desenvolvimento de novos negócios da Record TV, consultora de empresas, professora e palestrante.

[yuzo_related]
Tags: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quero Receber as Novidades do Blog